BlogMarketing de Conteúdo e Inbound Marketing

Estratégia De Marketing De Conteúdo Para Micro, Pequena E Média Empresa

Estratégia De Marketing De Conteúdo Para Micro, Pequena E Média Empresa
Estratégia De Marketing De Conteúdo Para Micro, Pequena E Média Empresa
4 (80%) 5 votes

As micro, pequenas e médias empresas (MPME) enfrentam muitos desafios, especialmente quando se trata de desenvolver uma estratégia de marketing de conteúdo que seja eficaz .

Você pode se sentir limitado por restrições de tempo e orçamento, ou talvez você está intimidado pela idéia de adicionar sua voz a um mercado já saturado com conteúdo.

Quaisquer que sejam suas dúvidas, não deixe que eles o detenham.

Uma estratégia de marketing de conteúdo é a chave para a criação de conteúdo envolvente.

É o seu bilhete para entender que conteúdo produzir, quando produzir e para quem você está produzindo. Uma estratégia também ajuda a obter insights sobre quem está realmente lendo seu conteúdo e o que o separa de seus concorrentes.

Para ajudá-lo a começar, eu compilei cinco coisas que você precisa fazer para começar a construir uma grande estratégia de marketing de conteúdo:

1) Crie “Personas” dos seus clientes

Cada pedacinho de conteúdo que você cria deve ser incansavelmente focado em seus clientes.

Não tenho nem como enfatizar isso o suficiente: seu conteúdo não é para você – é para eles.

Mas se você não sabe quem é seu público-alvo, fica difícil para você criar conteúdo que agrade a eles.

Isso é onde as “Personas” dos cliente entram, na sua estratégia de marketing de conteúdo.

Pense em uma pessoa como uma “foto instantânea” do seu público-alvo.

Você precisa definir suas “Personas” para poder responder às seguintes perguntas:

  • Quais são seus principais dados demográficos? Eles compartilham quaisquer características em comum, como idade, sexo, educação, estado civil ou localização?
  • Qual é o título / cargo que os seus clientes normalmente têm? Você costuma vender para CEOs e Presidentes de grandes empresas, proprietários de pequenas empresas, ou alguém diferente? Qual é o salário médio desse público-alvo?
  • Que traços de personalidade comandam uma compra? Seus clientes são cautelosos a respeito de  fazer novos investimentos? Eles são os primeiros da fila a adotar novas tecnologias ou se adaptam lentamente?
  • O que eles esperam de sua oferta? Quais os objetivos que seu produto ou serviço irá ajudá-los a alcançar? O que eles valorizam, sua oferta apela especificamente para que?
  • O que os impede de fazer uma compra? Seu cliente é hesitante porque não foram convencidos de que seu produto ou serviço irá beneficiá-los? Será que um alto preço os impede de fechar a compra? Ou é outra coisa – como a incapacidade de convencer um cliente de que sua oferta é necessária à empresa dele?
  • O que convence seus clientes? Como você supera qualquer objeção que seus clientes possam ter? Eles estão buscando provas sociais ou garantias de ROI (retorno Sobre o Investimento)? Eles precisam de detalhamento das especificações ou estão à procura de dicas simples sobre como usar o seu produto? Existem fontes de informação e suporte técnico de confiança?
  • Que outros detalhes são relevantes? Você pode apelar para o seu público-alvo através de seus hobbies? Seus blogs favoritos? Apresentando-os a outros clientes? Que informações extras irão ajudá-lo a vender para este Lead (cliente potencial)?

Por exemplo, se você fosse uma empresa de SaaS (Software As A Service (Software Como Serviço, sem compra de licença, mas com pagamento mensal) criando perfis de clientes, eles poderiam ter esta aparência:

Persona # 1

Papel / Título
Chefe Executivo (CEO / Presidente)
Perfil
Idade: 40 – 65
Local: Urbano / suburbano
Salário: 100,000 +
Educação: Bacharelado
Características: Cauteloso sobre novos gastos, mas quer software que irá ajudar a melhorar o dia-a-dia dos negócios.
Fatores de Apelo
Metas: Expandir negócios, crescer vendas, regular operações diárias.
Valores: interface simples, instruções em português simples (não técnico), tecnologia com baixa barreira à entrada
Objeções: Muito jargão técnico, recursos desnecessários.
Persuadido por: Testemunhos, demonstrações de produtos, endosso do pessoal.
Confia: fontes conhecidas e reconhecidas de informação (por exemplo, Moz, HubSpot)

Persona # 2

Papel / Título
Designer gráfico

Perfil
Idade: 25 – 40
Local: Urbano
Salário: 20-30,000
Educação: Mestrado
Características: Quer software de ponta, mas precisa ser capaz de convencer a gestão.

Fatores de Apelo
Objetivos: Facilite o dia-a-dia, melhore o desempenho.
Valores: Atenção ao detalhe, customização, características de venda e uso simples.
Objeções: Preço alto, interface complicada.
Persuadido por: Revisão de melhorias de desempenho, especificações técnicas, estatísticas.
Confia: Boca-a-boca de outros designers.

Ao compreender melhor seus clientes, você será capaz de melhor segmentá-los com conteúdo específico que os atraia, envolvê-los e supera suas objeções.

A ironia disto é que, de acordo com o Content Marketing Institute, 70% dos comerciantes do Reino Unido consideram a criação de conteúdo mais atraente a sua prioridade máxima, mas apenas 46% priorizam uma melhor compreensão do seu público.

Então, onde você consegue a informação que você precisa para construir as “Personas” dos seus clientes?

Existe uma série de maneiras pelas quais você pode identificar seu público-alvo, incluindo dados do Google Analytics, do Facebook Insights e das estatísticas de visualização do YouTube.

2) Tenha sua voz e seu tom

Além de construir “Personas” únicas para seus clientes, em sua estratégia de marketing de conteúdo, você também deve desenvolver um modelo de voz e tom, que quem for escrever o conteúdo vai poder aplicar.

Embora esses dois conceitos possam parecer intercambiáveis, há uma diferença muito importante entre eles, como Ann Handley observa em seu livro Everybody Writes: “Sua voz não muda, mas seu tom deve, dependendo do sentimento que você está tentando transmitir”.

A voz carrega sua identidade de marca. É o diferencial que o distingue de seus concorrentes e deve estar em cada pedaço de seu conteúdo – de sua página inicial ao seu feed do Twitter. Uma voz inconsistente, ou que se redefine regularmente, se mostra instável e destrói sua credibilidade.

Alterações de tom atraem “Personas” específicas. Por exemplo, sua marca pode incorporar “divertido e excitante”, mas talvez isso se manifeste como “gentil” em sua página de FAQ e “insolente” em alguns de seus anúncios direcionados. A estratégia de Joel Klettke para definir o tom é refazê-lo com declarações “X, mas não Y”, tais como:

  • Amigável, mas não informal
  • Alto, mas não gritante
  • Jovem, mas não imaturo
  • Divertido, mas não irreverente
  • Simples, mas não humilhado

3) Idealize 20-30 conceitos

Você pode se decepcionar ao saber que meus posts não são o resultado de explosões espontâneas de inspiração.

Não há uma seqüência de sonhos em movimento, sem raio, sem divisão de céus e sem raios de luz inspiradores.

Em vez disso, cada vez que eu escrevo uma nova postagem no blog, consulto uma lista de 31 possíveis tópicos que salvei em uma planilha, além de ótimos artigos de outros países para traduzir.

Eu e minha equipe fizemos um brainstorm desta lista meses atrás, para nossa estratégia de marketing de conteúdo.

Nós chegamos a uma lista de títulos de artigos que complementam as ofertas de conteúdo atual do nosso site, se enquadram em minhas áreas de especialização, e (espero) ajudem você, o leitor.

O resultado final é uma lista útil que me ajuda a evitar o bloqueio mental como escritor.

Existem dois elementos-chave para uma sólida estratégia de ideação:

A. Organize o sua estratégia de marketing de conteúdo sob um guarda-chuva de amplo de “categorias.”

Por exemplo, as minhas postagens no blog no mês passado têm sido focado em estratégias e dicas de áreas que eu domino.

Pense nisso como palavras-chave, se isso ajudar.

B. Use pesquisa e insights de clientes como idéia para seus tópicos.

Você poderia publicar a melhor peça do mundo, e isso não importaria nada, se seu público não quiser lê-la.

Use ferramentas para extrair dados de tendências de fontes como Google Search Trends, Twitter, YouTube, Reddit e Google Notícias.

Descubra a área onde o que os usuários estão procurando saber e sua área de especialização se conectam.

4) Planeje um Calendário de Conteúdo

Já falei e escrevi antes sobre por que publicar conteúdo de maneira regular é a chave para a retenção de clientes.

Você dá a seus leitores algo novo para olhar para a você, adiciona mais valor a seu web site, e mantém suas ofertas de conteúdo frescas – o que melhora sua relevância nas buscas, entre outras coisas.

Mas você pode fazer muito mais com um calendário de conteúdo do que com lembretes de nota tipo post-it para “escrever uma nova postagem no blog”.

Em vez disso, considere o princípio de conteúdo 70/20/10 da Coca-Cola:

  • 70% das ofertas da Coca-Cola são consideradas “de baixo risco”. Essas são suas ofertas de “pão e manteiga”, do tipo das que os clientes adoram consumir, repetidas vezes. Em termos de marketing de conteúdo, estes seriam os seus posts do tipo “como fazer” (dicas de como fazer algo), que todo mundo adora.
  • 20% das ofertas da Coca-Cola são de “risco médio”. Este conteúdo é mais inovador e se envolve com os consumidores em um nível mais profundo. Também pode tentar alcançar um novo tema demográfico ou abordar temas controversos.
  • 10% do conteúdo da Coca-Cola é de “alto risco”. Este conteúdo apresenta novos desafios e idéias progressistas e modernas. Você tem que estar preparado para falhar com essas ofertas de conteúdo, mas às vezes você acha ouro ouro … como o comercial do desodorante Old Spice nos mostra há algum tempo.

Se o seu conteúdo é sempre padrão, ele irá estagnar.

Em vez disso, tente sacudir o status quo de vez em quando.

Você certamente não precisa se prender à estratégia de 70/20/10 da Coca-Cola, mas você pode ocasionalmente balançar o barco, e dar a seus leitores algo para eles darem sua opinião sobre assuntos mais “fortes”.

Claro, na sua estratégia de marketing de conteúdo, você deve planejar que tipo de conteúdo você vai publicar.

Mas agitando e mudando um pouco o formato de seu conteúdo e segmentação de usuários, em diferentes estágios da jornada do comprador”, você dará aos seus usuários mais razões para retornarem ao seu site.

5) Crie conteúdo com uma meta

“Marketing de conteúdo é sobre a criação de conteúdo de valor real para seus clientes potenciais ,com a intenção subjacente de motivá-los a tomar uma determinada ação. Esta ação é qualquer interação com a sua marca que impulsione e crie rentabilidade – seja compartilhando seu conteúdo com sua rede, inscrevendo-se em seu seu e-mail para receber novidades, comprando seu produto mais recente ou escrevendo uma revisão sobre seu produto para os amigos dele verem.”

Em outras palavras, a própria definição de marketing de conteúdo já inclui inerentemente alguns objetivos:

  • 1. Nosso conteúdo deve criar valor real para nossos clientes.
  • 2. Nosso conteúdo deve motivá-los a tomar uma determinada ação.

É por isso que é necessário ter um plano de conteúdo com metas claramente definidas.

Descobrir quem você está direcionando com o seu conteúdo, que valor você quer transmitir (se é educação ou entretenimento) e quais ações você deseja solicitar.

Então, descubra como distribuir e promover o seu conteúdo, para que ele alcance o máximo de seu público possível.

Finalmente, certifique-se de que o seu conteúdo contribui para suas metas e objetivos.

Todas as micro, pequenas e médias empresas (MPME) devem ter um plano de negócios que estabeleça as metas específicas do seu negócio.

Certifique-se de que sua estratégia de marketing de conteúdo contribui para esses objetivos e promove sua marca.

Conclusão: nosso trabalho nunca está terminado

Mas espere, você está pensando.

Se as “personas” dos cliente, a identidade de marca, brainstorming, um calendário de conteúdo e um plano de negócios são tudo o que é necessário para construir uma estratégia de marketing de conteúdo, então por que a estratégia de conteúdo da nossa equipe inclui:

  • Auditoria de conteúdo do site
  • Revisão da qualidade do conteúdo
  • Auditoria de metadados
  • Análise de Lacunas de Conteúdo
  • Análise de conteúdo do concorrente
  • Análise da Página de Retorno dos Motores de Busca
  • Pesquisa de Tendências Sociais
  • Influenciadores Social e Análise de Audiência
  • Idealização de conteúdo
  • Estratégia editorial e plano de conteúdo
  • Redação com foco em SEO

Bem, isso é porque uma boa estratégia de marketing de conteúdo nunca pára de melhorar.

As micro, pequenas e médias empresas (MPME) com uma estratégia definida, podem continuar a aperfeiçoar esse estratégia ao longo do tempo, graças a informações fornecidas por alguns dados.

Isso significa ofertas de conteúdo de maior valor, para você e seus clientes.

Portanto, não deixe que o escopo de estratégias de marketing de conteúdo lhe assuste.

O retorno sobre o investimento vale bem o custo – uma micro, pequena ou médias empresa (MPME) com um plano por trás do seu conteúdo, é uma empresa vale a pena prestar atenção.

Tomara que seja sua empresa !

Última Dica : 

Compartilhe esse posts se você gostou, siga nossas mídias sociais para receber mais conteúdo relevante e deixe abaixo seu comentário, sua pergunta e diga se lhe ajudaram esse post sobre Estratégias de Marketing de Conteúdo para Micro, Pequena e Média Empresa!

Ficou curioso ? Leia mais sobre Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing no nosso blog.

Se interessou sobre o assunto e procura uma Agência e Consultoria de Marketing Digital especializada em Micro, Pequenas e Médias Empresas para ajudá-lo ?

Entre em Contato Conosco que teremos prazer em ajudar sua empresa a ter mais vendas e lucros com o uso correto da Internet.

Rodolfo Sabino, é CEO e co-fundador da Tráfego e Vendas, Palestrante, Professor de SEO na Impacta Tecnologia, Certificado em Inbound Marketing pela Hubspot, em SEO pela SEM Rush.

É especialista e Consultor em SEO, Marketing Digital (Inbound Marketing, Marketing de Conteúdo, Automação de Vendas e Marketing) e Growth Hacking.

Deixe uma resposta